Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Cookies: This website uses cookies. By using and further navigating this website you accept this. Detailed information about the use of cookies on this website is available by clicking on more Information. Close
Welcome to the Belimo Corporate Website.
Stay on the global site or select a regional site below.
Escolha a sua localização

Nossa contribuição para a qualidade do ar interno

Os seres humanos passam aproximadamente 90% do seu tempo de vida em salas fechadas, portanto uma boa temperatura ambiente é importante. A qualidade do ar em particular tem um enorme impacto na nossa saúde e bem-estar. As estruturas de edifícios estanques a ar podem ser bem superiores em termos de energia, mas evitam a troca de ar natural. No entanto, elas podem ser totalmente automatizadas, usando-se sistemas de ventilação e sensores adequados.

Uma boa temperatura ambiente é essencial

As pessoas podem sobreviver em torno de trinta dias sem comida, até quatro dias sem água, mas apenas uma questão de minutos sem ar. O componente mais importante do ar, ou seja, o oxigênio, é necessário para queimar os nutrientes. O cérebro é especialmente sensível a uma falta de oxigênio. Em ambientes sem ventilação, a concentração de CO2 aumenta, o desempenho diminui rapidamente, somos incapazes de nos concentrar, nos sentimos cansados, sofremos de dores de cabeça e muito mais. Mas não é só o oxigênio e a quantidade de CO2 no ar que indicam uma boa temperatura ambiente. A umidade do ar (ideal de 40-60%), a temperatura do ar, a temperatura do ar, os íons de ar, a qualidade do ar e a velocidade do ar também são importantes para uma temperatura ambiente saudável.

Existem muito poucas especificações que regulam as áreas internas

Embora existam requisitos legais para o ar externo e a conformidade com estes seja monitorada com cuidado, existem poucos valores limite vinculativos para o ar interno. A OMS e a Swiss Lung Association (Associação Suíça do Pulmão) acreditam que, em 2020, a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) será uma das causas mais comuns de morte no mundo todo. Portanto, o ar interno precisa estar "limpo" para que a nossa saúde e bem-estar não sejam ser prejudicados. Isto pode ser obtido com um bom sistema de ventilação. As soluções da Belimo para a indústria de aquecimento, ventilação e condicionamento de ar estão dando uma contribuição vital para isto. A Belimo fornece toda uma linha de sensores para a medição dos fatores mais importantes que afetam as temperaturas ambiente, como a qualidade, a temperatura, a umidade e o fluxo do ar. Nossa tecnologia Volume de Ar Variável (VAV) e as válvulas de controle independentes de pressão garantem um fluxo perfeitamente equilibrado do ar e da água em todos os momentos, resultando em conforto ideal.

Boa qualidade do ar para melhor desempenho

O ar ao nosso redor compreende 21% de oxigênio, 78% de nitrogênio, 0,04% de dióxido de carbono (CO2), bem como vestígios de gases nobres, vapor de água e poluentes. Hoje em dia, um dos indicadores mais importantes da qualidade do ar em ambientes fechados é o valor de CO2. Como os seres humanos também produzem CO2 pela respiração e o adicionam ao ar, a concentração de CO2 aumenta continuamente em ambientes fechados onde há presença de pessoas. Uma estrutura de edifício estanque a ar significa que a taxa de troca de ar diminui, resultando em maior concentração de substâncias nocivas no ar interno. Esta situação pode ser enfrentada pela ventilação regular dos ambientes ou, se isto não for possível, instalando-se um sistema de ventilação para realizar esta tarefa. Como um sistema de ventilação também pode remover poluentes do ar de forma confiável, ele melhora a qualidade do ar de ambientes nos quais há presença de pessoas por longos períodos. Se estes ambientes estiverem equipados com sensores, que abastecem a sala da instalação de ventilação com um fornecimento permanente de dados, o sistema funcionará de maneira confiável e permanente.

Medições da qualidade do ar em mais de 250 salas de aula

Atualmente, mais de 30% das crianças na Europa sofrem de doenças relacionadas a alergias como asma, rinite alérgica e neurodermatite. Não se pode excluir uma ligação com a poluição ambiental generalizada. Afinal, especialmente em ambientes fechados, os poluentes podem se acumular e também entrar no corpo por meio do ar inalado. Além de doenças crônicas, o "ar pobre" também tem outras implicações para o nosso bem-estar. Para descobrir como a qualidade do ar afeta alunos e professores, a plataforma MeineRaumluft.ch uniu forças com a Associação de Professores de Zurique (Züricher Lehrerverband) e a Organização do Pulmão de Zurique (Organisation Lunge Zürich) para instalar dispositivos em mais de 250 salas de aula, que estão em funcionamento desde novembro de November 2016. Um efeito positivo foi que a simples instalação dos dispositivos de medição afetou os hábitos de ventilação de professores e alunos e porque, assim que a concentração de CO2 na sala ficava alta demais, as janelas eram abertas para deixar entrar ar.

Apesar disso, a Figura 1 da imagem abaixo mostra que os níveis de CO2 foram considerados excessivamente altos. Em mais de 13% das medições feitas no fim da aula, o nível de CO2 esteve acima de 2000 ppm, que é o valor limite superior para concentrações de CO2 em salas ocupadas, de acordo com a norma SIA 180. A Figura 2 mostra que a umidade relativa esteve abaixo de 30% em um quarto das medições. Isto pode resultar em complicações de saúde, como a secagem das membranas mucosas das vias respiratórias. Neste caso, o pó, a sujeira e os germes não são removidos das vias respiratórias com rapidez suficiente. Se estes permanecerem por longo período no trato respiratório, o risco de doenças respiratórias aumenta. As consequências típicas incluem tosse, bronquite, resfriados e sinusites. A única notícia boa é que na Figura 3 pode-se ver que, com poucas exceções, a temperatura em graus Celsius esteve em uma faixa aceitável.
 

Obter boa qualidade do ar com componentes AVAC inteligentes

Existem diretrizes padronizadas para a composição do ar interno. Estas correspondem, em grande medida, ao fator de sentir-se bem. A automação de edifícios AVAC é fundamente para a manutenção destas diretrizes. A sala da instalação de ventilação é colocada em rede com controladores e sensores. Os valores do ar nas salas pode ser otimizado automaticamente se os componentes que estão equipados com sensores comunicarem informações confiáveis à sala da instalação para controlar ventiladores e regular a temperatura, o teor de CO2 e a umidade do ar. A tecnologia de administração de edifícios então compara automaticamente as informações recebidas sobre o estado real e nominal na sala e dá aos atuadores o comando correspondente para abrir ou fechar dampers e válvulas ou movê-los para uma posição intermediária. Isto permite o fornecimento de ar desejado a uma temperatura confortável, com o nível ideal de umidade e um rico teor de oxigênio.

Sensores Belimo – O fundamento do conforto

Os sensores AVAC da Belimo oferecem confiabilidade superior, facilidade de instalação e integração perfeita com os principais sistemas de automação de edifícios. O design de alojamento inovador permite instalação rápida e sem ferramentas, comissionamento fácil e oferece a proteção NEMA 4X/IP65 A linha de produtos inclui sensores precisos para a medição da temperatura, umidade, pressão, CO2, compostos voláteis (VOCs) e fluxo na aplicação de tubos e dutos.

Visite o site regional para obter mais informações: